domingo, julho 26, 2009

A nova era da digitalização da informação não vai garantir por muito mais tempo a sobrevivência dos jornais e revistas no seu formato em papel

A maioria dos jornais e revistas editados em papel vão mais ano, menos ano, desaparecer dos escaparates e aqueles que conseguirem sobreviver à nova era da digitalização vão manter-se mas apenas nesse formato.
Não me parece que isso traduza para quem busca notícias em cima da hora qualquer desvantagem ou perda de interesse, bem pelo contrário. Hoje em dia já são muitos os internautas que apenas procuram informação em sites na net que se vão actualizando a ritmo que não é praticável em qualquer outro órgão de comunicação social, nomeadamente jornais, revistas e até mesmo em televisão, cujas fontes de obtenção para além das agências de notícias também elas já começam a ser ultrapassadas, se não possuírem as suas próprias fontes se limitam a decalcar a informação que outros órgãos já veicularam. Mas a nova era da digitalização vai continuar a permitir que a imprensa escrita de hoje se modifique e se actualize e para além das notícias vão os seus leitores através dos seus sites poderem desfrutar do mesmo tipo de leituras que hoje fazem nos jornais de papel, nomeadamente, temas culturais e técnicos que são necessários incluir nas suas páginas electrónicas. Obviamente que os jornais digitais vão continuar a dispor de publicidade e se apostarem exclusivamente nessa área como fonte de rendimento podem proporcionar aos seus leitores a sua leitura gratuita, mas se acharem não ser isso suficiente poderão só permitir o acesso aos assinantes que façam os pagamentos das suas assinaturas previamente. Claro que este fenómeno irá contribuir para a redução substancial de profissionais ao serviço dos jornais existentes. Mas esses mesmos jornais vão necessitar de possuir vários correspondentes espalhados pelo globo de forma a colherem informação mais rapidamente e não estarem dependentes como agora acontece de terceiros.

3 comentários:

Vieira Calado disse...

Acha que sim?

Olhe que não... olhe que não!...

Um abraço

contradicoes disse...

Olhe que sim... olhe que sim. E até pode ser mais cedo do que se prevê.
Obrigado pela visita
Um abraço

Å®t Øf £övë disse...

Raúl,
A mim parece-me que a única forma da imprensa em papel sobreviver será através de outro tipo de notícias, talvez não dando tanto relevo à informação do dia, mas apostando mais em artigos de investigação, e em reportagens profundas e de qualidade.
Abraço.