sexta-feira, agosto 06, 2010

Esta fantochada em torno do Freeport cada vez mais serve para desmascarar os agentes da justiça

Ninguém com dois dedos de testa acredita que os procuradores que agora se apressaram a denunciar que havia 27 perguntas para serem feitas a José Sócrates, que primeiramente por falta de tempo, foi o que ouvimos na comunicação social, não tinham sido feitas face ao encerramento do processo, como o PGR reagiu a esta completa palhaçada, resolveram agora anunciar que a formulação das perguntas foi solicitada em devido tempo só que não ocorreu. Se estes senhores tivessem vergonha na cara o mínimo que se esperaria da sua parte era solicitarem a sua aposentação antecipada face ao mau serviço e à sua contribuição para não dignificar a justiça. Sim porque profissionais destes estão longe e continuarão a estar para devolver à justiça a dignidade que ele merece. E já agora seria de enorme utilidade que o pseudo-jornalismo de investigação apurasse as verdadeiras preferências políticas destes senhores agentes da justiça, para esclarecimento cabal em termos de opinião pública das suas reais intenções, face ás atitudes que assumem.

2 comentários:

Me Hate disse...

Ora nem mais! O processo em si, não deve ser muito diferente do que aqui colocaste... ;)

lidiasantos almeida sousa disse...

Inteiramente de acordo. O tal Vitor Magalhães denunciante do colega e amigo de 3o anos, Lopes da Mota, foi obrigado pelo sindicalista Palma Cavalão a dizer que tinha sido pressionado. Na mesma altura o semanário Expresso colocou uma noticia na Capa- VITOR MAGALHÃES DEU (OU VENDEU NO DIZER DO INSUSPEITO DE SER AMIGO DO SOCRATES ANTONIO BARRETO) documentos em segredo de justiça à sua amiga do peito Felicia CABRITA, do semanário SOL. Dizem ter sido suspenso por 24 horas mas o Sindicalista fez tal barulho que ficou tudo na mesma, Mas o EXPRESSO NÃO FOI PROCESSADO