quinta-feira, julho 31, 2008

Os eternos excluídos da sociedade e subsídio dependentes sentem-se injustiçados e perseguidos

Hoje apareceram mais uns elementos da comunidade cigana muito indignados porque foram objecto duma rusga da qual resultou a apreensão de 10 armas ilegais. Não está certo que a polícia agora resolva por tudo e por nada carregar nos ciganos, essa gente bem comportada, de muitos bons costumes incapazes de provocar seja quem for estarem agora a ser tratados como um bando de delinquentes quando temos provas mais que suficientes do seu comportamento irrepressível. Dá vontade de rir ouvir as suas lamúrias, com cobertura jornalística.

3 comentários:

AP disse...

Não me esqueço das lamurias daquele coitado na Quinta da Fonte que pagava uma renda de 4 euros mas que lhe tinham roubado o "plasma, o dvd, a playstation"...

NSR disse...

Não gosto... Não gosto de colocar no mesmo saco toda a gente e rotular tudo e todos pela mesma bitola.

Tem gente boa e má em toda a parte, ciganos, negros e brancos incluidos.

Tem quem viva de subsídios e faça desses subsídios o seu modo de vida, como tem quem não se resigne e vá à luta por uma vida melhor.

Dizer que todos os ciganos são gangsters criminosos, porque uns quantos o são de facto, é o mesmo que ouvir dizer que todos os Portugueses são atrazados em relação ao resto dos Europeus.

Não gosto e sinto nesse sofisma o preconceito oriundo da ignorância e do racismo.

Reduzir tudo a tábua raza é triste e lamentável.

Lembro-me de há uns anos ouvir a um morador do bairro do Casal Ventoso estas palavras:

No Casal Ventoso mora gente que nunca se meteu em droga, mas por causa de uma meia dúzia que vive aqui e se mete nela, todos somos drogados nas bocas do mundo!

Quando será que os portugueses passam a olhar as pessoas não pelo lugar onde vivem, nem pela cor da pele, ou pelas crenças que professam e mais pelo ser humano que são?

Não está isso consignado na Constituição da Rapública?

Não está esse direito assumido por todos na Carta dos Direitos Humanos?

Que culpa tem um homem ou uma mulher de nascer cigano, negro ou chinês?

Não é humano?

Recusamo Rui, recuso este tipo de redução e de racismo encapotado.

Conheço muitos que se lhes dessem oportunidades na vida, seriam melhores que muitos que não parecendo ser "ciganos" o são muito mais e muito mais criminosos.

Como aqueles que os encafuaram em guetos e os obrigam a viver de forma miserável, enquanto se pavoneiam nas teias do poder!

Sabes porque é que muitos ciganos pagam renda de 4 euros à Câmara de Lisboa?

Porque embora tendo dinheiro para comprar um apartamento, os bancos lhes recusam abrir uma conta bancária e as imobiliárias lhes recusam a escritura nem que paga a pronto.

E sabes porquê?

Exactamente porque há gente que se recusa a viver na porta ao lado de uma família cigana e, claro, as imobiliárias perdiam muita clientela se vendessem um apartamento a uma família cigana.

Alegam que essas famílias não sabem viver em casas.

Pois como poderão aprender a viver em casas se ninguém as ensinou a isso?

Sabes quantas gerações são precisas para se adquirirem hábitos que tu e eu temos de utilização de uma casa como por exemplo de uma sanita?

Tens ideia?

Os meus bisavós não as possuiam e eu cresci a aprender como a usar.

Tem muito branco que ainda hoje não as sabem usar, sabias?

Pois é Rui.
Tudo isto tem muito que se lhe diga e vai muito além do ser ou não ser cigano, do ter ou não ter cor de pele diferente, do ter ou não hábitos ditos civilizados que se adquirem desde a mais tenra idade e que levam gerações a adquirir.

Pensa lá bem!

O Rui de quem eu sou amiga, é muito diferente deste que escreveu isto!

Beijos amigo.

Eu sei!
Foi só um deslize.

Afinal errar é humano :-)

contradicoes disse...

Oh Noel sabes bem que não sou racista, nem segregacionista mas começo a ficar farto das lamúrias de alguns ciganos e sobretudo pelo facto de se vitimizarem face a alguns comportamentos menos correctos que ele próprios assumem. Obviamente que como em todas as raças à excepções em termos comportamentais de pessoas desta comunidade, mas desses como não há reparos a fazer somos forçados a fazê-lo em relação aos que têm comportamentos criticáveis.
Beijinhos do Raul