terça-feira, julho 29, 2008

Se dúvidas houvesse esta posição da Ordem dos Médicos é a prova provada que esta corporação só tem uma preocupação, o conforto económico dos médicos

Todas as tentativas levadas a efeito pelos diversos Ministros de Saúde no sentido de melhorar a capacidade de resposta do SNS esbarraram sempre com o obstáculo designado por Ordem dos Médicos. Esta corporação de profissionais visa apenas e só proteger os seus associados relativamente ao seu conforto económico. Os Hospitais Públicos face aos seus excelentes equipamentos de diagnóstico e tratamento têm apenas e só servido para que os médicos se especializem e a partir do momento em que atingem o estatuto que almejam saem do sistema público e vão para o privado. É aliás algo semelhante ao que se passa com os pilotos aviadores da Força Aérea Portuguesa que depois de atingirem muitos milhares de horas de vôo e uma notável experiência de pilotagem não possível a quem através da obtenção de um brevet comercial consiga atingir essa mesma experiência, dizia, abandonam a Força Aérea e entraram nos quadros da TAP ou de outras companhias aéreas. Ou seja o Estado investe milhares largos de euros na formação de determinados profissionais os quais sempre com o objectivo de melhorarem substancialmente o seu rendimento mensal fogem para o sector privado. E face à recente tentativa do Ministério da Saúde de obrigar os médicos do sector público ao regime de exclusividade, a sua corporação já veio contestar essa medida porquanto segundo o responsável pela mesma colide com os direitos profissionais da classe, significando esta atitude que o pretendido pela Ordem dos Médicos é que os seus associados possam continuar a ganhar a vários carrinhos para manterem o seu conforto económico, possibilidade essa de que dispõem também alguns enfermeiros do sector público.

4 comentários:

AP disse...

Não vejo problemas no caso dos médicos exercerem num hospital público e num privado, ao mesmo tempo, ou no seu consultório. Desde que paguem os devidos impostos! O hospital privado onde exercem faz os correspondentes descontos? Nos seus consultórios privados, quantos passam recibos e os declaram às finanças?
A ASAE e a DGCI não deviam servir apenas para vigiar quem precisa de sobreviver!

AnA disse...

ap, a classe médica não é concerteza a que foge mais. Pela minha experiência a classe que semdúvida foge como gente grande é a dos advogados. Quando se vai ao médico, ninguém se esquece de pedir o recibo para pôr no irs. E quando se vai ao advogado?? Ninguém pede (a não ser que seja uma empresa) porque não precisam do recibo para nada. Aliás, sei de muitos casos que mesmo pedindo o recibo, os senhores andam muito tempo a empatar a ver se desistem. Depois é vê-los a declarar valores mtos baixos ás finanças e como consequência a ter as regalias que se podem tirar daí. Conseguir bolsas de estudo para os filhotes, por ex. E quando havia as bonificações nos créditos à habitação, era a vê-los num escalão preveligiado.
É óbvio que não serão todos os advogados. mas grande parte deles, não dúvido.


A DGCI anda a dormir concerteza.

AP disse...

Ana tens toda a razão. O caso dos advogados ainda é pior, pois abusam a olhos vistos.
Mas uma coisa é passar o recibo, outra é declara-lo às finanças! Os contabilistas, como sabemos, fazem milagres... Enquanto a DGCI anda a dormir!

AnA disse...

Fazem???? Desconheço que podíamos fazer tais milagres. Até agora só consegui transformar pão em rosas ;-)

Kiss para ti e um Kiss para o caro contradições