sábado, junho 24, 2006





Médicos alertam para
risco de uso de celulares
na chuva


Médicos fizeram o alerta na revista científica British
Medical Journal sobre o uso de celular em tempestades
com raios e trovões.

O metal nos telefones age como condutor e leva a corrente
diretamente para o corpo, afirmam.

Uma adolescente de 15 anos foi atingida por um raio quando
falava ao telefone no Hyde Park, em Londres. Ela não se
lembra do que aconteceu, mas sofreu um ataque cardíaco e
precisou ser ressuscitada.

Um ano depois, ela está presa a uma cadeira de rodas,
perdeu a audição no ouvido em que usava o celular e teve
outras seqüelas físicas e cerebrais.

Corrente elétrica

Materiais que são bons condutores de eletricidade em
contato direto com a pele, assim como líquidos ou metais,
aumentam os riscos de que a corrente se espalhe pelo
corpo, causando danos.


FATOS
A qualquer momento há, em média, 1,8 mil tempestades
em curso, com 100 raios a cada segundo.
Um raio viaja a 22,5 mil km/hora e descarrega 300 mil
volts de eletricidade no solo em milésimos de segundo,
aquecendo o ar em volta para 30 mil ºC - cinco vezes
mais quente do que a superfície do sol.
A chance de ser atingido por um raio é de uma em três
milhões.

Os médicos do hospital Northwick Park em Londres, que
trataram a menina atingida pelo raio, descobriram três
casos iguais. As três pessoas - na China, Coréia e Malásia -
morreram.

A otorrinolaringologista Swinda Esprit, do Northwick Park
afirma que "quando estamos falando ao telefone nem
pensamos nisto."

"Se você é atingido por um raio, a pele tem alta resistência
à eletricidade, mas ao usar o telefone, a corrente elétrica
entra no corpo e provoca danos nos órgãos internos",
afirmou Esprit.

Ele acredita que os fabricantes de celulares deveriam
alertar os consumidores de possíveis perigos, já que
"especialmente as crianças não vão se dar conta dos
riscos".

Paul Taylor, um cientista do Instituto de Meteorologia
britânico acredita que até ter um telefone no bolso no
meio de uma tempestade pode ser perigoso.

E afirma que celulares são tão perigosos quanto moedas
e anéis, em termos de condução de eletricidade.

da BBC Brasil

Pareceu-me importante esta divulgação tendo em vista
a existência duma enorme de quantidade de utilizadores
de telemóvel
em Portugal que os possuem em número
superior ao da
própria população, usando e abusando
da sua utilização
onde quer que estejam.

1 comentário:

Daniela Mann disse...

Mete respeito, bolas!
Abraços da Dani