segunda-feira, dezembro 18, 2006

Hoje foi um dia para esquecer

O meu neto com dois anos e meio desde Setembro que começou a frequentar o Infantário, tem estado consecutivamente constipado, sem antes ter tido, enquanto à guarda dos cuidados das avós materna e paterna, qualquer tipo de problema de saúde.
Entretanto em finais de Outubro nasceu a sua irmã que resistiu ao contágio das suas constipações até ao passado fim-de-semana. Ontem ficou aos nossos cuidados enquanto seus pais o acompanharam a festa de Natal realizada pelo Infantário a qual diga-se de passagem foi um verdadeiro fiasco. Durante a sua permanência em minha casa, constatei que a minha neta de mês e meio se encontrava com tosse e dificuldades de respiração por concentração elevada de expectoração.
Embora os pais tivessem o cuidado de procederem à aspiração do muco tal não foi suficiente e hoje não fora o discernimento da mãe perante a paragem de respiração ela tinha no período da manhã sucumbido.
De imediato deslocaram-se à urgência de pediatria do Hospital de São Francisco Xavier onde prontamente a bebé foi assistida mas por falta de ventilador foi transportada numa viatura do INEM para o Hospital de Santa Maria, no qual se encontra nos cuidados intensivos a ser ventilada face à sua dificuldade de respiração. Como pai da mãe da minha neta vivi em Angola uma situação de perigo da sua vida por ter sido acometida duma enterite aguda que lhe ia tirando a vida, situação que não tenho vontade de recordar, mas sinceramente este acontecimento hoje com a minha neta, deixou-me absolutamente prostrado.

4 comentários:

Anónimo disse...

Um abraço, Raul. Hoje, com a assistência que existe, essas coisas acabam por ser apenas grandes sustos. Mas não quer dizer que a angústia seja menor mesmo acabando tudo bem...
É certo que uma criança até aos 3 anos, é melhor tratada em ambiente familiar do que no infantário porque basta o contacto com tanta outra criança para as doenças se transmitirem.

augustoM disse...

Vinha desejar as Boas Festas, mas pelo que vejo, a oportunidade não foi a melhor. Desejo as rápidas melhoras de tua neta,para que possa ter o seu Natal. Com as crianças estamos smpre a apanhar sustos.
Um abraço. Augusto

Carlos a.a. disse...

Abraço, Raul!
Tal como a Emiele, considero que os bébés até aos 3/4 anos estão sempre melhor com a família do que nos infantários, desde que esta possa e tenha condições.
Os sustos de quem ama, Raul, são isso mesmo, uma prova de amor.
Abraço

Pedro disse...

Caro amigo, espero sinceramente que a sua neta recupere brevemente. Também a minha filhota, quase a completar um aninho, tem sido atingida por uma série de problemas de saúde, com origem no infantário. Agora está com febre aftosa...
Abraço