terça-feira, junho 26, 2007

Diálogo de um casal em crise sexual

Vai, Horácio. Toma logo. - Eu não tomo nada sem antes ler a bula. Cadê meus óculos?
- Pendurados no seu pescoço.
- Isso é ridículo, Maria Helena.
Ridículo... - Então todos os homens da sua idade são ridículos. Porque todos estão tomando.
- A humanidade conseguiu crescer e se multiplicar durante milénios sem isso.Nós inclusive. E taí o Pedro Paulo e o Zé Augusto.
- Horácio, eu não vou discutir isso com você agora. Toma logo esse negócio.
- Isso aqui faz mal pro coração, sabia? Um monte de gente já morreu com isso.
- Foi por uma boa causa. E não faz mal coisa nenhuma. Só pra quem é cardíaco. Você nem coração tem mais, faz tempo.
- Não começa, Maria Helena, não começa.
- Preciso de sexo, Horácio.
- Mas hoje é segunda-feira, Maria Helena...
- Quero TREPAR. FODER. Ser comida por um macho de pau duro.
- Francamente, Maria Helena, que boca. Parece que saiu da zona.
- Quero ser penetrada, quero gozar.
- O sexo é uma ditadura, Maria Helena. A gente tá na idade de se livrar dela.
- Ui! Saudades da "dita" dura...
- Que baixaria... Além do mais, Maria Helena, nós já tivemos um número mais do que suficiente de relações sexuais na vida. A quantidade de esperma que eu já gastei nesses anos todos com você dava pra encher a piscina aqui do prédio.
- Com o esperma que você ordenhou manualmente, talvez. O que o senhor gastou comigo não daria nem pra encher o bidé aqui de casa. Um penico,talvez. Até metade.
- Maria Helena... Sossega o facho, mulher. Vai fazer ioga, tai chi chuan. Ou arranja um cachorro. Quer um cachorro ? Um salsichinha?
- Quero um salsichão, Horácio!! UM SALSICHÃÃÃOOO!!!
- Por que você está com ideia fixa nessa porcaria?
- Que porcaria?
- O sexo, Maria Helena, o sexo.
- Horácio, meu filho, as mulheres com vida sexual activa têm muito menos chance de ter câncer. É científico.
- Come brócolis que é a mesma coisa, Maria Helena. Protege contra tudo que é câncer. Também é científico, sabia? E puxado no azeite, com alho, fica uma delícia.
- A que ponto chegamos, Horácio. Eu falando de sexo e você me vem com brócolis puxado no azeite!
- Com alho.
- Faça-me o favor, Horácio.
- Maria Helena, escuta aqui, você já tem 50 anos, minha filha, dois filhos adultos, já tirou um ovário, já...- E o que é que filho e ovário têm a ver com sexo?
- Maria Helena, me escuta. Depois de uma certa idade as mulheres não precisam mais de sexo.
- Ah, não? Quem decidiu isso?
- Sexo nessa idade é pras imaturas. Pras deslumbradas, pras iludidas que não sabem envelhecer com dignidade.
- Prefiro envelhecer com orgasmos.
- O que é que o Freud não diria de você, Maria Helena.
- E de você, então, Horácio? No mínimo, que você virou gay depois de velho.Boiola.
- Maria Helena, dá um tempo, tá?
- Tá bom, sem comentários. Bota os óculos e lê duma vez essa bendita bula.
- Abaixa essa televisão. Não consigo me concentrar ouvindo novela. Mais.Mais um pouco.
- Pronto, patrãozinho. Sem som. Vai, lê duma vez.
- O princípio activo do medicamento é o citrato de sildenafil.
- Sei.
- Veículos excipientes: celulose microcristalina...
- Celulose vem da madeira. Pau, portanto. Bom sinal.
- Onde foi parar a sua pouca educação, Maria Helena?
- Vai lendo, Horácio.
Depois conversamos sobre a minha pouca educação..
- A menopausa acabou com a sua lucidez, Maria Helena.
- Troco toda a lucidez do mundo por um pau tinindo de tesão por mim. índigo carmim...
Será que esse negócio não vai deixar o meu pau azul,Maria Helena?
- E daí, se deixar? Você não sai por aí exibindo o seu pénis, que eu saiba.Ou sai?
- Mas, e se eu for a um mictório público? o que é que o cara ao lado não vai pensar do meu pinto azul?
- Diz que você é um alienígena. Ou explica que você é um nobre, de sangue e de pinto azul.
- Pára de viajar, Maria Helena. Parece que fumou maconha.
- Não era má ideia. Pra relaxar. Vou roubar do Pedro Paulo. Eu sei onde ele esconde. Podíamos fumar juntos.
- Eu já tô relaxado. Tô até com sono, pra falar a verdade.
- Sono uma pinóia! Você já dormiu tudo a que tinha direito nessa vida. Lê logo, lê, lê aí.
- Vou ler. É degradante...
- Degradante é um pau mole.
- Olha o nível, Maria Helena!
Quer saber? Chega! Vamos ver os efeitos colaterais.
- Humm... dispepsia. Que lindo. Vou trepar arrotando na sua cara.
- Você me come por trás. Arrota na minha nuca.
- Como você é simplória, Maria Helena, como você é... menor.
- Deixa ver mais o que temos aqui... gases! Afff... Ei! Que é que tá rindo aí?
- Pode relaxar o esfíncter, meu filho. Numa boa. Tô tão acostumada que até sinto falta quando estou sozinha... Fico pensando... "Ah, se o Horácio estivesse aqui agora pra soltar um peido de feijoada com cerveja na minha cara..."
- Maria Helena, qualquer dia você vai ganhar o Oscar da vulgaridade universal.
- Vou dedicar a você.
- Hmmmm.... Ouve só: diarreia!
- Quê?
- É outro efeito colateral dessa bomba aqui. Fala sério, Maria Helena. Isto aqui é um veneno.
- Deixa de ser pueril, Horácio. Magina se alguém vai ter todos os efeitos colaterais ao mesmo tempo. No máximo um ou dois.
- A caganeira e os arrotos, por exemplo?
- Faz um cocozinho antes. Pra esvaziar. Eu espero, vai lá.
- Eu não estou com vontade de fazer COCÔ, Maria Helena! Faça-me o favor!! E olha aqui, mais um efeito colateral: visão turva...
- E o que tanto você quer enxergar?
- Maria Helena, você não entendeu? Essa droga perturba seriamente a visão.Vou ficar cego por sei lá quantas horas, quantos dias. E se minha visão não voltar? Vou andar de bengala pro resto da vida?
- Pode deixar que eu seguro a sua bengala, Horácio. Olha, pensa no lado bom da cegueira: você vai poder me imaginar 20 anos mais moça. Trinta, se quiser.
- Maria Helena, desisto. Não vou tomar essa porcaria e tá acabado.
- Dá aqui essa cartela, Horácio. Abre a boca. Pronto. Engole. Olha a água aqui. Isso. Que foi? Engasgou, amor?! Ai, meu Deus! Horácio? Você está bem ?Respira fundo!
- Arrr! Ufff! Me dá mais água
- Quanto tempo isso aí demora pra bater?
- Isso aí o quê?
- A pílula, Horácio, a pílula.
- E eu sei lá?
- Vê na bula, Horácio.
- Hummmm... tá aqui: 30 minutos.
- Óptimo. Dá tempo de ver o fim da novela.

- "Permita que toda a situação em sua vida lhe traga um
ensinamento."

Recebido por email do Brasil. Uma necessidade a quanto obriga. Quantas Helenas não haverá por aí com o mesmo dilema e reacções semelhantes dos seus parceiros.

1 comentário:

tassio disse...

Oi meu nome eh Tássio, sou aluno da Escola de Teatro da UFBA, adorei seu texto q qria pedir sua autorização pra encená-lo, naum todo, pq participo de um projeto chamado "Ato de 4" ONDE SÃO EXIBIDAS 4 CENAS OU ATOS DE 15 MIN, e me apaixonei pelo seu texto, preciso saber seu nome, não gosto de desonestidade sabe?
Por favor me dê uma resposta o mais rápido possível
Grato, Tássio
tassio15@hotmail.com
Meu email