segunda-feira, fevereiro 27, 2006

O governo de Angola quando precisa de ajuda para combater
flagelos pede-a a Portugal, mas quando se trata de negócios
escolhe outros paises

É conhecido o surto de cólera que grassa em Angola e já
vitimou mais de uma dezena de pessoas. Sempre que se
registam surtos epidémicos quer nesta ex-colónia quer
noutra qualquer, lembram-se sempre os seus governantes
de pedirem auxílio a Portugal, tendo em conta que, como
país colonizador que foi terá moralmente de os socorrer na
ajuda para debelar estes flagelos. Claro que os governantes
portugueses nunca viraram nem viram as costas às suas
antigas colónias e estão sempre presentes para os ajudar.
Curiosamente e sobretudo os governantes de Angola,
quando se trata se entregarem a exploração dos seus
recursos naturais, nunca recorrem a Portugal,
interessa-lhes muito mais outros parceiros.

1 comentário:

Zecatelhado disse...

A escumalha de vigaristas e gatunos que é a do poder angolano está também aqui bem expressa.

Zecatelhado