domingo, agosto 19, 2007

Como continuo a arrumar o arquivo do "congeminações" reproduzo mais estes versos

Alice no País das Maravilhas
Sexta-Feira, Janeiro 21st, 2005

De certo se recordarão
Deste conto, pois então
Uma obra de ficção
De quem foi a imaginação

Vários autores estão agora
Inventando iguais contos
Mas a vida não melhora
Com promessas destes tontos

A tontaria é geral
Neste universo político
Como se fosse Carnaval
Ou um espectáculo de circo

Ludibriantes processos
São o pão de cada dia
Vão averbando sucessos
Esta corja da vilania

Os tachos estão a crescer
A um ritmo alucinante
Muita gente para varrer
Pelo próximo governante

Mas final os vindouros
Procederam da mesma forma
Libertaram-nos doutros coiros
Repetiram a mesma trama

Foi este o nosso receio
Por estarmos escaldados
Voltaram outros p’ro poleiro
Ficamos de novo lixados

Triste sina é a nossa
A de não chegarmos a ver
Sair o Pais desta choça
Em que teima sobreviver

5 comentários:

Me Hate disse...

Sinto-me por vezes um pouco como a Alice... num sitio em que tudo me é estranho e por vezes, já nem eu me reconheço!

PintoRibeiro disse...

Sobreviver. A palavra certa.
Abraço,

martelo disse...

o que querem os políticos a não ser rapar os tachos?

sonia r. disse...

Se ainda for País.

karvoeiro disse...

a crise continua... viva a crise!!!