segunda-feira, dezembro 05, 2005

Britânicos já marcaram 1.200 casamentos gay
da BBC Brasil

Pelo menos 1.200 cerimônias para registrar a união
civil entre gays já foram marcadas no Reino Unido, onde
uma lei que legaliza a medida entra em vigor nesta
segunda-feira.

As cerimônias – que não estão recebendo a denominação de
“casamento” – vão poder ser realizada na Irlanda do Norte
a partir de 19 de dezembro, e no resto do país nos dias
seguintes.

Os casais interessados estão podendo se registrar nas
autoridades competentes a partir desta segunda-feira.

A mudança legal que vai permitir a união civil entre
pessoas do mesmo sexo foi feita após décadas de campanhas
por parte de grupos de defesa dos homossexuais.

Ativistas dizem que ela vai acabar com a desigualdade entre
casais homossexuais e heterossexuais perante a Justiça.

Demanda elevada

Uma vez assinado o contrato de união civil, os parceiros
vão passar a dispor dos mesmos direitos que valem para
heterossexuais que se casam legalmente.

Pela lei, os casais que quiserem formar uma união legalizada
precisam se registrar nos conselhos de administração local.

Diferentemente dos casamentos, as cerimônias de assinatura
dos documentos da união civil homossexual não precisam ser
públicas.

Centenas de casais devem se valer imediatamente da novidade
– por exemplo, 198 cerimônias já foram provisoriamente
agendadas na cidade de Brighton, no sul da Inglaterra,
até o final do ano.

Ao todo, o conselho local já tem 510 cerimônias marcadas
para os próximos meses, no que se considera ser o nível
mais elevado de toda a Grã-Bretanha.

Outras cidades onde a demanda por cerimônias é grande
incluem Londres, Manchester, Birmingham, Newcastle e
Edimburgo.

O governo espera que 4,5 mil casais de pessoas do mesmo
sexo formalizem suas uniões no primeiro ano de vigência da
lei.

Ora aqui está uma opção que não vai contribuir em nada
para a explosão demográfica da Inglaterra.

3 comentários:

dulce disse...

Mas contribui para a felicidade de muita gente!!
Bjos.

martelo disse...

pois é, qualquer dia temos 5 milhões de velhos...

Pedro disse...

Pois é. Ignoram-se as medidas pró-natalistas enquanto se "perde" tempo com este tipo de assuntos secundários...