terça-feira, dezembro 06, 2005

Produção de petróleo no Iraque deve chegar a 2,6 mi de
barris por dia em 2006


VINICIUS ALBUQUERQUE
da Folha Online

A produção de petróleo no Iraque deve chegar a 2,6 milhões
de barris por dia em 2006, perto do nível em que estava antes
da invasão americana em 2003, disse nesta terça-feira o
ministro iraquiano do Petróleo, Ibrahim Bahr al Uloum.

A produção deve aumentar ainda devido à ajuda que o Japão
deve dar para aumentar a capacidade dos terminais exportadores
no sul do país para 2 milhões de barris por dia, A produção
do Iraque neste ano deve ficar, em média, em 2,1 milhões de
barris, segundo informações do governo americano.

Um funcionário do Ministério da Economia, Comércio e
Indústria do Iraque disse à agência de notícias Reuters
que as exportações podem chegar a 2 milhões de barris
diários, superando o 1,6 milhão que é exportado pelo sul
do país atualmente.

No mês passado, o Japão concordou em cancelar 80% dos
débitos do Iraque com o país, abrindo caminho para a
concessão de novos empréstimos.

As instalações petrolíferas no Iraque têm sido um dos alvos
preferenciais dos rebeldes contra a invasão americana, o
que tem afastado investimentos. As exportações de petróleo
no país caíram para 1,2 milhão de barris diários em novembro,
menor nível em dois anos. O consumo diário de petróleo no
Iraque fica entre 400 mil e 500 mil barris.

A estimativa do ministro iraquiano repete a declaração do
vice-primeiro-ministro do país, Ahmad Chalabi, que disse
em novembro que o Iraque poderia aumentar a produção
do país rapidamente, retomando a atividade em poços
bloqueados após a invasão americana. Em 2000, a produção
de petróleo no país chegava a 3 milhões de barris diários e
as exportações ficavam em 2,2 milhões de barris por dia.

O Japão, terceiro maior consumidor mundial de petróleo,
importou 90 mil barris por dia do Iraque em 2004.

Esta é a realidade pela qual se comprova que a invasão do
Iraque não visou outra finalidade que não esta até porque
quem está no controle da produção segundo o articulista
são os próprios americanos.

4 comentários:

Armando S. Sousa disse...

Subescrevo por inteiro a sua conclusão, amigo Raul.
Um abraço

Armando S. Sousa disse...

"Subscrevo"

martelo disse...

e no entanto por cá pagamos a preço de ouro sem nenhuma razão a não ser para a Galp apresentar lucros fabulosos à custa da guloseima...

augustoM disse...

São as sanguessugas a chupar o sangue. Quando não tiver mais para dar, ressequido e moribundo, deixará de ter interesse e será riscado do mapa como pais de interesse, constará só como um deserto onde em tempos a humanidade desabrochou. Quem será apróxima vítima?
Um abraço. Augusto