quinta-feira, julho 27, 2006

Praias do Mediterrâneo podem ficar quentes demais para turismo

27 Jul 2006 12:56

Por Alister Doyle

OSLO, 27 de julho (Reuters) - As praias do Mediterrâneo podem ficar quentes demais para os turistas ainda neste século, devido ao aquecimento global, e os moradores do norte da Europa terão calor suficiente para aproveitar o verão sem ter de viajar, disseram pesquisadores na quinta-feira.

"Nos verões dos anos 2080, turistas em potencial da Grã-Bretanha e da Alemanha encontrarão condições climáticas muito mais agradáveis em seus próprios países que no Mediterrâneo", afirmou um estudo britânico e holandês publicado no Journal of Sustainable Tourism.

Cerca de 100 milhões de pessoas, a maioria moradores do norte da Europa, liderados por alemães e britânicos, vão para a costa do Mediterrâneo todos os anos, e gastam lá quase 100 bilhões de dólares. Qualquer alteração em seu comportamento turístico teria um enorme impacto nas economias mediterrâneas, como Espanha, França, Itália, Grécia, Turquia e Marrocos.

"As pessoas não querem ir atrás de sol, mar e areia para ser obrigadas a ficar na sombra porque está quente demais", disse à Reuters David Viner, especialista em clima da Universidade de East Anglia, na Inglaterra, e co-autor do estudo.

As praias no norte da Europa, na Irlanda, no norte da França, nos países bálticos e no sul da Escandinávia podem se tornar mais atraentes aos turistas nas próximas décadas.

Por causa da onda de calor que atinge a Europa, muitos norte-europeus que viajam para o Mediterrâneo estão constatando que as temperaturas em seus próprios países estão tão altas quanto lá.

"Condições como essa vão se tornar mais prevalentes no futuro", disse Viner. Muitos cientistas afirmam que a queima de combustíveis fósseis em usinas de energia elétrica, fábricas e carros está liberando gases-estufa que aprisionam o calor na atmosfera e provocam o aumento das temperaturas globais.

Além do calor, o Mediterrâneo pode sofrer também com o aumento da aridez, que provocaria escassez de água e incêndios florestais.

O estudo de Viner, em conjunto com um pesquisador da Universidade de Maastricht, na Holanda, afirma que o clima do Mediterrâneo pode se tornar mais adequado para o turismo durante a primavera, o outono e o inverno.

De qualquer modo, a renda da indústria turística dos países do Mediterrâneo seria prejudicada, mesmo se houvesse mais afluxo de turistas nas outras estações do ano além do verão. Resorts do norte da Europa, como Blackpool, na Inglaterra, podem ser ressuscitados.

Segundo o estudo, os países do Mediterrâneo podem apelar para outros pontos fortes da região que não a praia, como a comida, a paisagem e os monumentos deixados por gregos, romanos e egípcios. E, pensando no longo prazo, tomar sol pode sair definitivamente de moda.

da Reuters

Podemos por isso perder a esperança no nosso eventual recurso de exploração solar, face a esta previsão, que não vai beneficiar os países que ainda dispõem de excelentes condições para o
turismo balnear

1 comentário:

Daniela Mann disse...

Obrigadinha pelo comentário tãp amável! É sempre um prazer visitar este blog!
Abraços da Daniela