quarta-feira, julho 19, 2006




Velório de Raul Cortez
acontece no Theatro
Municipal de SP





O velório do ator paulistano Raul Cortez, 73, acontece a
partir das 7h desta quarta-feira no Theatro Municipal de
São Paulo, na região central da cidade. A pedido do actor,
seu corpo será cremado, no Cemitério Vila Alpina (zona
leste de SP), informou o hospital.

Cortez morreu na terça-feira (18), às 20h15, no hospital
Sírio-Libanês, na Bela Vista (região central de São Paulo).
Ele estava internado desde o último dia 30 de junho.
O artista tinha câncer na região abdominal. Seu último
trabalho foi na minissérie "JK" (Globo) neste ano, mas a
lembrança mais presente é do personagem Jeremias
Berdinazzi, imigrante italiano ranzinza da novela "O Rei
do Gado" (1996-1997).














Folha Imagem

Natural de São Paulo, o actor Raul Cortez atuava na TV, no
teatro e no cinema. Em comunicado, o hospital citou que a
morte ocorreu devido às "complicações relacionadas a um
câncer na região abdominal". Ele estava sendo tratado pelo
oncologista Paulo Hoff e pelo cirurgião Vincenzo Pugliese.

Em dezembro de 2004, Cortez foi operado para retirada
de um tumor na região do pâncreas e intestino delgado.
Na época, ele interpretava o personagem Barão de
Bonsucesso em "Senhora do Destino" (2004-2005) e
teve de deixar as gravações da novela da Globo. Após a
cirurgia, fez tratamento quimioterápico.

Em junho de 2005, o ator surpreendeu desfilando com
elegância na São Paulo Fashion Week, sendo aplaudido por
dez minutos pelo público.

Divulgação

Ator como o ranzinza Berdinazzi em "O Rei do Gado";
veja mais imagens Cortez ficou famoso na TV em novelas
na Globo, a partir dos anos 80, como"Água Viva" (1980),
"Baila Comigo" (1981), "Partido Alto", "Brega & Chique"
(1987), "Mandala" (1987-1988), "Rainha da Sucata"
(1990), "O Rei do Gado" (1996-1997), "Terra Nostra"
(1999-2000) e "Esperança" (2002-2003).

Em sua carreira teatral, Cortez recebeu cinco prêmios
Molière. O ator deixa duas filhas: Lígia (com a atriz Célia
Helena, que faleceu em 97), que lhe deu as netas Vitória
e Clara; e Maria (com a promoter Tânia Caldas). Nos
anos 70, ele provocou polêmica declarando a uma revista
que todas as pessoas eram bissexuais. Também dizia
que permaneceu virgem até os 23 anos.

O ator começou sua carreira no teatro e no cinema, nos
anos 50. Fez o filme "O Pão Que o Diabo Amassou"
(1957), dirigido pela cineasta Maria Basaglia. Outras
atuações de destaque foram nos filmes "Lavoura Arcaica"
(2001), de de Luiz Fernando Carvalho, e "A Grande Arte"
(1991), de Walter Salles. Em 2004, brilhou ao lado de
Fernanda Montenegro no filme "O Outro Lado da Rua",
de Marcos Bernstein.

Cortez também tinha uma atuação política. Em 2002,
declarou voto ao presidenciável tucano José Serra e fez
até uma aparição em seu programa eleitoral. O actor
chegou a ser condecorado com a medalha Ordem de Rio
Branco pelo então presidente Fernando Henrique
Cardoso (PSDB).

Em nota, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, que
com a morte de Cortez, "a cultura brasileira acaba de
perder um talento inigualável".

Segundo a assessoria da Globo, Cortez nasceu no dia 28
de agosto de 1932, na região de Santo Amaro, em São
Paulo.


da Folha Online

Recordo-me de excelentes interpretações deste actor
nalgumas telenovelas aqui referidas, mas a vida é isto
mesmo.

2 comentários:

H. Sousa disse...

Tem razão, a vida é isto mesmo. Grande actor.
Abraços

Daniela Mann disse...

Tadinho! Gostava muito de o ver! Agora fiquei triste :(
Beijinhos amigo