sábado, janeiro 20, 2007

Os argumentos dos blogs defensores do "Não" bem como os comentários que geram são efectivamente hilariantes

Afirmar-se que, o facto da procuradora-adjunta Maria José Morgado, como qualquer cidadão tem o direito de sobre esta matéria exprimir a sua opinião, ao apoiar o "Sim", está de alguma forma a contribuir para a liberalização da corrupção, é no mínimo hilariante. Efectivamente os argumentos apresentados são duma maneira geral motivadores duma gargalhada sonora para nos evitar produzir um impropério contra os seus autores.
Em relação aos médicos defensores do não tenho sérias dúvidas se algum deles alguma vez invocou objecção de consciência ao efectuar numa qualquer clínica privada um aborto a quem com possibilidades económicas para o fazer a ele tenha recorrido. Continuo com muitas dúvidas se esses mesmos profissionais não estarão a desejar manter o recurso da grávidas às clínicas privadas para efectuar os abortos, uma vez que a liberalização vai contemplar a sua realização nos hospitais públicos. Seria interessante conhecer a actuação destes profissionais no tratamento de doentes nos seus locais de trabalho se efectivamente se empenham e preocupam, na resolução das suas enfermidades com vista a evitar o seu falecimento.
Assiste-lhes o mesmo direito de criticar os defensores do sim, embora os argumentos destes assentem essencialmente em terminar com a condenação das mulheres pela pratica clandestina de aborto, nada mais que isso, embora os defensores do não insistam no falso argumento de que o aborto vai passar a funcionar como alternativa a qualquer método de contracepção, como se alguma mulher adoptasse tal procedimento. Faltam praticamente 3 semanas para a realização do referendo e estou absolutamente convicto de que desta vez o "SIM", vencerá. Por isso só espero que a partir desta decisão popular os movimentos do "Não" e todos quantos o apoiam se limitem a aceitar a decisão que maioritariamente o eleitorado tiver, tal como democraticamente
aqueles que sempre defenderam o "Sim", aceitaram face ao resultado do primeiro referendo a vitória do "Não" e em sua consequência a condenação de mulheres pela sua pratica.

8 comentários:

Anónimo disse...

Certo. Eu muitas vezes fico também espantada com coisas espantosas como aquela «criatura» (o abominavel homem das neves) - de quem se espera tudo - que diz que no caso de o aborto ser despenalisado passaria a ser tão banal e usado como o telemóvel. Ele merecia que por um breve espaço de tempo fosse enfiado no corpo de uma mulher que faz um aborto, só para ver...
Como disse o Rui Tavares, são argumentos baseados no medo, na fúria, no irracional, recorrendo a todos os truques e até à mentira descarada. Ninguém, creio eu, «defende o aborto», defende é a mulher que a ele recorre em desespero de causa. Esta verdade parece não entrar em certas cabeças.

Anónimo disse...

Só mais uma coisa, Raúl. Tenho apesar de tudo algumas dúvidas de que no caso do Sim ganhar, como também espero mas não estou tão convencida disso, dado a força da Igreja e a campanha que está a endurecer «os movimentos do "Não" e todos quantos o apoiam se limitem a aceitar a decisão que maioritariamente o eleitorado tiver, tal como democraticamente aqueles que sempre defenderam o "Sim", aceitaram face ao resultado do primeiro referendo a vitória do "Não" e em sua consequência a condenação de mulheres pela sua pratica»
É que é aceitar que quem defende o Sim e o Não, neste caso, é feito da mesma matéria. E não o creio...

Anónimo disse...

E se o resultado do referendo não for vinculativo, tal como o do último Domingo de junho de 1998? Não começará tudo de novo? Não teremos novo referendo dentro de 8 anos?
Também eu aguardo que toda a gente saiba aceitar o resultado do próximo dia 11, independentemente de qual ele seja. No entanto, não me parece que seja a última vez que ouviremos falar desta questão e penso que tal facto é salutar desde que exista respeito esclarecido pelas opiniões alheias, pois ninguém em lugar algum, é dono da verdade ou da justiça.
Aguardemos então.
Um abraço.

Anónimo disse...

Eu tenho um blog em defesa do Não neste referendo, e não encaro os meus motivos "hilariantes". Peço-lhe que não coloque no mesmo saco todas as pessoas que têm um voto diferente do seu. Muito obrigado.

Anónimo disse...

Efectivamente é do lado do "Não" que tem surgido as maiores cretinices sobre esta polémica questão. Eu sou pelo "Sim". Boa semana.

Anónimo disse...

realmente a negação tem argumentos interessantes...

Pedro disse...

Não se generalizem situações particulares!!! A haver exageros, existirão dos dois lados...
Sejamos sérios e rigorosos na discussão sobre um assunto deveras importante...

Rute disse...

:)
Palmas!
Cumprimentos