quarta-feira, novembro 28, 2007

PCP o partido das amplas liberdades estatutárias ao expulsar a sua deputada Luisa Mesquita arrisca-se a perder dois presidentes de junta de freguesia

Segundo o Diário Digital, em solidariedade com a deputada Luísa Mesquita, expulsa pelo PCP, dois dos seus militantes, presidentes de juntas de freguesia em Santarém, ponderam entregar os seus cartões renunciando assim à militância. Esta força política de amplas liberdades consentidas aos seus militantes apenas no âmbito do seu estatuto e sobretudo do entendimento por parte do seu comité central, vai-nos dando provas que essa liberdade é apenas aplicável ás manifestações sindicais e todas as contestações fora do âmbito do partido o qual como já nos demonstrou ao longo destes 33 anos de democracia esse exercício é praticado internamente com regras muito concretas as quais não permitem qualquer veleidade da parte da sua militância relativamente às linhas duras adoptadas pelos seus dirigentes, daí ter-se verificado a renúncia ao longo destes anos de algumas figuras de destaque no partido.

5 comentários:

augustoM disse...

O PC é mesmo assim. Ou topas ou estás feito. Viva a democracia.
Um abraço. Augusto

SILÊNCIO CULPADO disse...

Amigo,
Nós estamos mal mas com uma ditadura ainda estariamos pior. Não gosto do que vejo mas estas "alternativas" assustam-me mais que me consolam.
Hoje tenho um post no Notas Soltas & Ideias Tontas (http://notassoltasideiastontas.blogspot.com) em que fiz um apanhado de dados oficiais sobre os "cancros" que o país padece e que mostram, de forma nua e crua, as realidades com que nos confrontamos.
Se tiveres um pouquito de tempo gostaria de ouvir a tua opinião sobre temas tão gritantes quanto aqueles.

Bernardo Kolbl disse...

O costume.
Bom fim de semana e um abraço.

Crítica e denúncia disse...

Bom dia ! O nome da tua cidade me lembra um amigo que tive e perdi nos caminhos da vida, ele faz pinturas, chama-se Antonio, dizia que sua pintura chamava-se "o belo feio" e vivia em Oieiras.
Deixo-te um abraço
Alda Inacio

SILÊNCIO CULPADO disse...

Não aceito que se persigam as vozes discordantes. E não me venham com histórias.