domingo, novembro 20, 2005

Assinala-se hoje “O Dia Mundial dos Mortos em
Acidentes na Estrada”

Obviamente que este flagelo está longe de ser um exclusivo
português embora as entidades responsáveis pelo controle da
sinistralidade queiram fazer passar essa mensagem.
Sempre que oiço notícias num qualquer canal espanhol este é
também infelizmente para eles uma questão que os preocupa. Mas
um pouco por todo o mundo se regista este flagelo com maiores ou
menores consequências.
É pois necessário desmistificar que, as mortes na estrada, é
apenas um flagelo nacional. Longe disso e as próprias
estatísticas o demonstram, morre muita gente noutros países em
consequência de acidentes rodoviários e ficam muitos
incapacitados para o resto da vida.
As causas principais, contrariamente aquelas que as associações
de utentes da estrada pretendem fazer passar não se pretendem
com as condições das rodovias mas sim e especialmente com o facto
dos sinistrados mortais ou com gravidade serem duma faixa etária
muito jovem que os leva a ser imprevidentes na condução dos seus
automóveis. De resto a própria estatística é demonstrativa os
acidentes com gravidade ocorrem normalmente com jovens da faixa
etária entre os 20 e 29 anos. É evidente que também se registam
acidentes com gravidade noutras faixas etárias mas a maior
incidência é na anteriormente referida. E Isto porquê.
Porque hoje em dia a nossa sociedade consumista permite aos pais
com uma boa posição económica, possam ainda com os filhos a
estudar oferecer-lhes automóveis com uma elevada potência e estes
numa intenção meramente exibicionista virem para a estrada,
cometendo os mais diversos disparates, desde ultrapassagens em
traços contínuos, curvas ou lombas acentuadas provocando colisões
frontais em excesso de velocidade que não permite aos seus
ocupantes a mínima possibilidade de sobreviverem ao acidente.
Obviamente que também ocorrem acidentes de viação resultantes de
distracção dos condutores e ainda por outros, com idades superiores
às do jovens não possuindo a mínima vocação para a condução, também
pratica manobras de risco, continuando a ser também o álcool uma
das razões motivadoras dos acidentes rodoviários. Do meu ponto
de vista atribuir como razão principal das causas da
sinistralidade, o mau traçado das vias ou a sua deficiente
sinalização é tentar ignorar a realidade da falta de consciência
e civismo existente na maior parte dos automobilistas.

4 comentários:

Pinto Ribeiro disse...

tem um lado positivo. são menos pensões de reforma a pagar no futuro. boa tarde e bom domingo. 1 abraço.

dulce disse...

Concordo plenamente. Cada vez mais cedo os nossos jovens conduzem, mas o pior é que sem o sentido de responsabilidade que seria necessário e desejável.
Obrigada pela visita. Não conheço Castro Verde mas fica na lista.... :-)
Beijos.

mfc disse...

Ao que vejo por aí, o que me espanta é que não sejam mais ainda!
As pessoas parecem lançar no volante todas as suas frustrações.

Marco disse...

Junta-se tudo: estradas más, falta de civismo, álcool, drogas...
e o resultado é explosivo.