sábado, janeiro 14, 2006


Um vice-líder da organização
Al Qaeda pode ter sido
atingido por um ataque
aéreo realizado por forças
dos Estados Unidos em um
vilarejo no leste do Paquistão,
segundo informações.

Ainda não há está claro se Ayman al-Zawahiri foi morto
no ataque.

Cinco das 18 pessoas que teriam morrido no ataque eram
suspeitas de serem integrantes importantes da Al Qaeda,
segundo o canal de televisão americano ABC, que citou
fontes militares paquistanesas.

O Pentágono negou a realização do ataque na área mas
autoridades locais afirmaram, mais cedo, que aeronaves
americanas tinham disparado mísseis.

Segundo as informações destas autoridades, 14 pessoas
teriam sido mortas em um ataque com foguetes em um
vilarejo paquistanês perto da fronteira com o Afeganistão.

Moradores afirmam que os mísseis foram lançados do
Afeganistão, mas as autoridades negam.

Fronteira

Forças de coalizão lideradas pelos Estados Unidos e
também forças afegãs acreditam que militantes
liderados pelo Talebã conseguem vantagem em seus
ataques devido à fronteira com falhas de segurança.

Zawahiri, visto como o segundo em comando na
organização Al Qaeda liderada por Osama Bin Laden,
conseguiu escapar da captura desde que as forças
lideradas pelos Estados Unidos derrubaram o regime
do Talebã no Afeganistão em 2001, apesar de uma
recompensa de US$ 25 milhões ter sido estabelecida
no caso de sua prisão.

Ele se transformou no mais importante porta-voz da
Al Qaeda em gravações e vídeos divulgados pelo grupo
nos últimos meses.

Os militares americanos no Afeganistão afirmaram na
sexta-feira que não tinham informações de operações
americanas na área do último ataque.

Mas a rede de televisão dos Estados Unidos ABC citou
fontes paquistanesas afirmando que os ataques foram,
provavelmente, realizados por um avião da CIA não
tripulado, que disparou mais de 10 mísseis.

O ataque ocorreu no vilarejo de Damadola na área tribal
de Bajaur, a cerca de 200 quilômetros da capital Islamabad.

Crianças

Jornalistas que chegaram a Damadola falaram sobre três
casas, com centenas de metros de distância entre elas,
destruídas.

Shah Zaman afirmou que perdeu dois de seus filhos e
uma filha.

"Eu corri e vi aviões, corri em direção a uma montanha
próxima com minha mulher. Quando estávamos correndo,
ouvimos outras três explosões e vi minha casa sendo
atingida", disse.

"Não sei quem fez este ataque ou a razão, estamos
sendo atacados desnecessariamente, somos pessoas
que obedecem as leis", acrescentou.

Um porta-voz militar paquistanês, major-general
Shaukat Sultan, disse que a fonte do ataque ainda não
estava clara.

O vice-governador da província vizinha, Kunar, já no
Afeganistão, Noor Mohammed, negou que o ataque
tenha sido lançado de seu país.

"Entrei em contato com todas as forças de segurança
em Kunar e ninguém ouviu a respeito disso. Não creio
que é verdade que o foguete tenha vindo do Afeganistão",
disse.

Mas, uma autoridade paquistanesa do setor de
inteligência, disse à agência de notícias Reuters que "o
número de feridos pode ser muito maior. As pessoas
estão muito nervosas, não estão permitindo acesso,
então os números exatos de mortos e feridos não estão
disponíveis".

A autoridade afirmou que Damadola era a fortaleza de
um grupo proibido, pró-Talebã.

Os Estados Unidos têm cerca de 20 mil soldados no
Afeganistão, mas o Paquistão não permite que estes
soldados operem do seu lado da fronteira.

O Paquistão tem cerca de 70 mil soldados na região da
fronteira.

Notícia da BBC Brasil

Mais uma provável aldrabice dos americanos para
juntar a outras que noticiaram a captura do líder Bin
Laden e até a sua morte

2 comentários:

Zecatelhado disse...

Estes gajos ainda enganam alguém?
Um @bração do
Zecatelhado

contradicoes disse...

Tal como eu previ este ataque resultou mais uma vez na morte de mulheres e crianças pois o dito nº. 2 da ALQaeda
nesse momento não se encontrava lá.